Facebook
Busca
Notícias
Incêndio atinge prédio comercial na Zona Oeste de SP

Veja mais...

Primeiros Resultados da Nova Lei do PMOC

Veja mais...

Guia para Inspeção
Área Restrita
E-mail:   Senha:  

Feira de Santana (BA) enfrenta surto de coqueluche


Data: 26-08-2011

Este ano, já são 47 confirmações de casos da doença na cidade.
Secretaria de Saúde diz estar capacitada para lidar com o problema.


Nos oito primeiros meses deste ano, a Secretaria de Saúde de Feira de Santana, a 100 km de Salvador, registrou 87 notificações de suspeitas, sendo 47 confirmações de casos de coqueluche na cidade. No mesmo período do ano passado, foram registradas oito notificações e nenhuma confirmação da doença.

Apesar de admitir que o número de casos configura um surto na cidade, a prefeitura, por meio da Divisão de Vigilância Epidemiológica (Viep), diz estar preparada para conter a doença. De acordo com Janice Estrela, chefe da Vigilância, os agentes de saúde da família e os médicos estão sendo capacitados para conter o avanço do problema.

A médica explica que a Secretaria de Saúde detectou que a cadeia de transmissão está nos adultos, que geralmente já foram vacinados, e quando contraem a doença não sofrem os sintomas, mas transmitem para sistemas imunológicos mais frágeis, como é o caso das crianças. Ainda de acordo com a secretária, não foi registrado nenhum caso grave e todos os pacientes receberam o tratamento adequado. Ninguém morreu em decorrência da doença.

Janice Estrela esclarece que diferente das epidemias, que são caracterizadas quando uma doença infecciosa é rapidamente disseminada a um grande número de pessoas, o surto acontece quando há um aumento considerável do número de casos esperados em um determinado local, como é o caso de Feira de Santana.

Tratamento

O tratamento da coqueluche consiste no uso de antibióticos prescritos por infectologistas. Com relação à prevenção, a secretária esclarece que as vacinas contra a doença fazem parte da campanha de imunização do Governo Federal e salienta que deve ser administrada em três doses, aos dois, quatro e seis meses de vida da criança, com dois reforços, aos quinze meses e entre os cinco e seis anos de idade. A imunização dura aproximadamente 10 anos.

A Secretaria de Saúde de Feira de Santana nega que haja problemas no cronograma de vacinação da cidade, mas salienta a importância das campanhas e pede aos moradores que atentem para as datas nos cartões de vacinação. “É importante que a população compreenda que as vacinas contra a tríplice viral, contra a difteria, o tétano e a coqueluche, só funcionam quando administradas exatamente como o programa de saúde determina, com todas as doses e reforços tomados nas datas corretas", pontua a secretária.

A doença

O infectologista Antônio Bandeira explica que a coqueluche é uma doença causada pelas bactérias Bordetella pertussis e Bordetella parapertussis, que atingem o sistema respiratório. A doença afeta principalmente as crianças de até dois anos e é disseminada por meio de gotículas de saliva. No organismo, as bactérias lesam os tecidos da mucosa e seu período de infecção varia entre cinco e 21 dias.

"A doença se divide em dois estágios. No primeiro deles, os principais sintomas são tosses, coriza, febre e irritação nos olhos. No segundo estágio, que se desenvolve cerca de duas semanas após o primeiro, as crises de tosses são sucessivas, algo como uma espécie de bronquite, com ocorrência de muco e há a possibilidade de vômito", explica o especialista.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que em 2010 houve um aumento significativo dos casos de coqueluche no Brasil. Ainda de acordo com a organização, de 2006 a 2008, os casos triplicaram no país. Falta de atenção às campanhas de vacinação estão entre os motivos apontados pela OMS.

Fonte: Egi Santana e Rafaela Ribeiro Do G1 BA


Para maiores informações Clique aqui

Os conteúdos das matérias não refletem necessariamente a opinião do Qualindoor.




Voltar
ABRAVA - Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento
Qualindoor - Departamento Nacional da Qualidade do Ar Interno

    Av. Rio Branco, 1492, São Paulo, SP, CEP 01206-001, Fone (11) 3361 7266