Facebook
Busca
Notícias
Incêndio atinge prédio comercial na Zona Oeste de SP

Veja mais...

Primeiros Resultados da Nova Lei do PMOC

Veja mais...

Guia para Inspeção
Área Restrita
E-mail:   Senha:  

Após desmaios, funcionários se queixam da Amazon nos EUA


Data: 26-10-2011

Fonte: Jornal Floripa

Funcionários da Amazon, gigante americana no comércio on-line, relatam que a temperatura no galpão de armazenamento em Breinigsville, na Pensilvânia, atingiu 39°C no último verão.
Na estação, a temperatura máxima média na cidade é de cerca de 29°C, segundo o "The Weather Channel".



Em 3 de junho, 15 funcionários desmaiaram. Seis receberam cuidados médicos em hospital local.



"Eu não acho que seja possível uma companhia multimilionária fazer isso e escapar. Eu acredito que é negligência grosseira para uma empresa dessa capacidade abusar e escravizar os trabalhadores, bem como impor quatro ou cinco dias de trabalho de dez horas naquele calor", disse um funcionário.



Dias depois, um médico do Lehigh Valley Hospital-Cedar Crest, na vizinha Allentown, denunciou o caso ao Departamento de Trabalho norte-americano.



O órgão monitorou a temperatura no local e detectou máxima de 37°C.



Segundo relatório obtido pela reportagem, o sistema de refrigeração no armazém era insuficiente.



Depois da vistoria, o Departamento de Trabalho mandou documento com recomendações à empresa --entre elas estão melhoria no sistema de ventilação e intervalos na jornada de trabalho.



A Amazon diz que trabalha para sanar os problemas.



Segundo os trabalhadores, quem saiu mais cedo por conta do problema de saúde recebeu pontos negativos no sistema de avaliação.



A Amazon afirma que os pontos negativos são atribuídos automaticamente por meio do computador, mas que a punição foi retirada manualmente.



Em julho deste ano, de acordo com jornal local, a Amazon recebeu ameaça de bomba e teve de reforçar a sua segurança.



O armazém da varejista em Breinigsville tem três andares e ali trabalham 1.381 funcionários em tempo integral, sem contar os temporários.



Segundo a empresa, desde janeiro, 850 trabalhadores com carga horária parcial foram convertidos para postos de período integral.



OUTRO LADO



A Amazon admitiu "múltiplos eventos" relacionados à temperatura do armazém em Breinigsville e disse que se referiam tanto a temperaturas baixas como altas.



De acordo com a companhia, a empresa aprovou em regime de urgência gasto de US$ 2,4 milhões para instalação de unidades de condicionamento de ar em quatro dos centros de atendimento, entre eles no de Breinigsville.



"O fato é que ar-condicionado é uma prática incomum em armazéns. Nós vamos continuar a operar essas unidades de ar-condicionado ou [aparelho] equivalente em verões futuros", informou a empresa, em nota.



No último domingo, a varejista voltou a divulgar comunicado sobre a segurança dos trabalhadores.



Afirmou que as taxas de acidente na empresa são menores que as registradas em setores como o automotivo e o de armazenamento.



"Em outras palavras: é mais seguro trabalhar na rede da Amazon do que em uma loja de departamentos", de acordo com o comunicado da companhia.


Para maiores informações Clique aqui

Os conteúdos das matérias não refletem necessariamente a opinião do Qualindoor.




Voltar
ABRAVA - Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento
Qualindoor - Departamento Nacional da Qualidade do Ar Interno

    Av. Rio Branco, 1492, São Paulo, SP, CEP 01206-001, Fone (11) 3361 7266