Facebook
Busca
Notícias
Incêndio atinge prédio comercial na Zona Oeste de SP

Veja mais...

Primeiros Resultados da Nova Lei do PMOC

Veja mais...

Guia para Inspeção
Área Restrita
E-mail:   Senha:  

Manutenção dos Sistemas de Climatização de um Edifício


Data: 01-03-2012

A inexistência de uma manutenção preventiva aos sistemas de climatização, além de diminuir a respetiva vida útil, aumenta o consumo de energia e favorece a ocorrência de problemas de saúde. Em Portugal, o Decreto-Lei n.º 79/2006 de 4 de Abril, que aprova o Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios (RSECE) estabelece que todos os sistemas energéticos dos edifícios, ou frações autónomas, devem ser mantidos em condições adequadas de operação para garantir o respetivo funcionamento otimizado e permitir alcançar os objetivos pretendidos de conforto ambiental, qualidade do ar interior e eficiência energética.

De acordo com o mesmo regulamento, as instalações e equipamentos de climatização devem possuir um plano de manutenção preventiva que estabeleça claramente as tarefas de manutenção previstas, tendo em consideração a boa prática da profissão, as instruções dos fabricantes e a regulamentação existente para cada tipo de equipamento constituinte da instalação. Este plano deve ser elaborado e mantido permanentemente atualizado sob a responsabilidade de técnicos com as qualificações e competências técnicas mínimas exigidas para o exercício da função.

No plano de manutenção preventiva deve constar:

- Identificação completa do edifício e sua localização;

-Identificação e contactos do técnico responsável;

- Identificação e contactos do proprietário e, se aplicável, do locatário;

- Descrição e caracterização sumária do edifício e dos respetivos compartimentos interiores climatizados, com a indicação dos seguintes elementos:
◦Atividade habitualmente desenvolvida;
◦Número médio de utilizadores, distinguindo, se possível, os permanentes dos ocasionais;
◦Área climatizada total;
◦Potência térmica total;
◦Descrição detalhada dos procedimentos de manutenção a adotar;
◦Periodicidade das operações de manutenção e limpeza;
◦Nível de qualificação profissional dos técnicos que as devem executar;
◦Registo das operações de manutenção realizadas, com a indicação do técnico ou técnicos que as realizaram, dos resultados das mesmas e outros eventuais comentários pertinentes;
◦Registo das análises periódicas da qualidade do ar interior, com indicação do técnico ou técnicos que as realizaram;
◦Definição das grandezas a medir para posterior constituição de um histórico do funcionamento da instalação.


SÍNDROME DO EDIFÍCIO DOENTE

Em 1982, a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhece a Síndrome do Edifício Doente (SED), caracterizada pelo aumento da prevalência de sintomas relacionados com mal-estar, sensação de fadiga, dor de cabeça, espirros, lacrimejamento e ardor nos olhos, tonturas, tosse seca e alterações na pele. Estes sinais tendem a desaparecer após curtos períodos de afastamento ou ausência dos espaços interiores.

Um edifício é classificado doente quando cerca de 20% dos seus ocupantes apresentam alguns destes sintomas em decorrência do tempo de permanência no seu interior. As causas mais comuns relacionam-se com a má conceção dos edifícios, ventilação inadequada, deficiente filtração do ar, deficiente manutenção das instalações e sistemas de ventilação e fontes de poluição interior.

Medidas de Prevenção:
◦Favorecer o arejamento do edifício, de modo a evitar a acumulação de poluentes;
◦Não fumar (especialmente em locais fechados);
◦Evitar a acumulação de poeiras;
◦Escolher os produtos de limpeza menos tóxicos e utilizá-los corretamente;
◦Não utilizar inseticidas, pesticidas ou ambientadores;
◦Não utilizar carpetes e alcatifas;
◦Garantir uma adequada manutenção dos sistemas de renovação de ar, bem como dos sistemas de ar condicionado.





MANUTENÇÃO E LIMPEZA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO

A limpeza dos aparelhos de ar condicionado previne a proliferação de microrganismos nocivos, aumenta a vida útil do aparelho e garante a qualidade do ar respirável. A inexistência de manutenção acarreta uma significativa redução da eficiência do produto, inclusive com aumento do consumo de energia.

De acordo com o estipulado no Decreto-Lei n.º 79/2006 de 4 de Abril, a periodicidade de inspeções a equipamentos de ar condicionado é a seguinte:

3 Anos - Equipamentos de Ar Condicionado com uma potência nominal útil superior a 12kW mas inferior a 100kW

1 Ano - Equipamentos de Ar Condicionado com uma potência nomainal útil superior a 100kW

Dicas para a manutenção e limpeza do ar condicionado:

Consultar o manual do aparelho para saber os detalhes de aconselhamento especialmente dirigidos ao equipamento instalado.


A limpeza do filtro deve ser efetuada a cada 30 dias (a sujidade impede a circulação livre do ar, forçando o aparelho – aumento do consumo de energia).


Antes da limpeza do filtro, desligue o aparelho. Utilize um aspirador ou água morna e sabão. Deixe secar completamente antes de o recolocar no sítio.


Durante o funcionamento do ar condicionado, mantenha as portas e janelas fechadas.


Não mantenha a temperatura regulada no máximo por muito tempo, pois isso danifica o aparelho.


Não obstrua o aparelho com cortinas, móveis ou divisórias (impedindo a circulação do ar), pois nessas condições será consumida mais energia e certamente não se atingirá a temperatura de conforto.


No verão mantenha as persianas (ou cortinas) fechadas evitando que a luz do sol entre diretamente no ambiente.


Não utilize qualquer produto inflamável perto dos equipamentos. O uso de gasolina, benzeno, inseticidas, etc. pode danificar o aparelho além de serem produtos extremamente tóxicos.


Elisabete Afonso (TSST)





Para maiores informações Clique aqui

Os conteúdos das matérias não refletem necessariamente a opinião do Qualindoor.




Voltar
ABRAVA - Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento
Qualindoor - Departamento Nacional da Qualidade do Ar Interno

    Av. Rio Branco, 1492, São Paulo, SP, CEP 01206-001, Fone (11) 3361 7266