Facebook
Busca
Notícias
SP tem calor no fim de semana e virada do tempo no feriado

Veja mais...

Sobe para 21 o número de mortes provocadas por onda de calor no Canadá

Veja mais...

Guia para Inspeção
Área Restrita
E-mail:   Senha:  

Procura elevada e baixa produção fazem aparelhos de ar-condicionado sumirem das lojas


Data: 01-02-2013

Demanda pelo produto aumentou entre 17% e 20% em dezembro de 2012, segundo federação

Victor Longo
victor.longo@redebahia.com.br
01.02.2013 | Atualizado em 01.02.2013 - 10:33

Estimulado pelo calor excessivo no escritório onde trabalha, o gerente comercial Marcos Aurélio, 42 anos, saiu ontem em Salvador para comprar um ar-condicionado de janela. Passou por grandes varejistas em bairros como Nazaré e Baixa dos Sapateiros e acabou no Shopping Barra. “Não tem ar-condicionado em canto nenhum”, reclamou.

Ele passou por pelo menos seis lojas, mas não encontrou o produto que queria. Por sorte, conseguiu levar a última unidade do modelo que procurava na loja Magazine Luiza, do Shopping Barra. “Em um dos ambientes da empresa, nós usamos ventilador, mas ninguém está aguentando o calor, que este ano está insuportável”, contou.

O Verão mais quente do que o normal, que aumentou a demanda, e a baixa produção da indústria provocaram a falta do produto nas lojas do estado, assim como o aumento dos preços.

“Devido ao calor excessivo, a procura foi muito grande no mês de dezembro, as fábricas não fizeram as devidas entregas, mesmo diante dos pedidos dos varejistas”, explicou o presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas da Bahia (FCDL-BA), Antoine Tawil. “Os fabricantes estão alegando a falta de peças importadas do exterior, que não estão chegando”, completou.

De acordo com a FCDL, a demanda pelo produto aumentou entre 17% e 20% em dezembro de 2012, em relação com o mesmo mês do ano anterior, comparação que elimina o efeito sazonal. Também em falta no mercado baiano, os climatizadores registraram aumento proporcional nas vendas. Um crescimento na mesma proporção foi registrado pelos ventiladores - esses produtos, contudo, não estão em falta no mercado.

O CORREIO entrou em contato com a Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), mas a assessoria de imprensa da entidade informou que não havia porta-voz disponível para entrevista. As perguntas enviadas por e-mail não foram respondidas.

O meteorologista do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado da Bahia (Inema), Heráclio Alves, endossa a tese de que o calor elevou a procura por equipamentos que amenizam o clima abafado. “A previsão é que, este ano, ao fim do Verão, seja registrado um aumento da temperatura média em toda a Bahia em torno de 1,5 e 2 graus Celsius”, explicou. “Em Salvador, embora a máxima registrada tenha girado em torno de 34 graus, essa temperatura foi atingida em vários dias”, acrescentou o especialista. “As chuvas também foram escassas, o que acaba elevando a sensação térmica”.

Lojas
Ontem, a reportagem percorreu algumas lojas da cidade e verificou que, em muitas delas, a maioria dos modelos de ar-condicionado estava em falta. No Shopping Barra, as Casas Bahia e a Insinuante já não tinham nenhum modelo para vender. “Quando chega esse período quente, acaba tudo. Como o estoque este ano está limitado, acabou tudo sem previsão de chegada”, disse um vendedor das Casas Bahia. “Este ano tem realmente muita gente comprando. Na quarta-feira, vendemos os últimos modelos”, explicou o vendedor da Insinuante.

Naquele shopping, apenas o Magazine Luiza e as Lojas Americanas tinham algumas unidades de modelos específicos para venda (confira preços e modelos no quadro no fim da página).

A forte demanda e a baixa oferta acabaram elevando o preço do ar-condicionado. No Hiperbompreço do Iguatemi, por exemplo, o aparelho modelo de janela da marca Eletrolux com capacidade de 9 mil BTU subiu quase 25%, de acordo com consumidores que estavam ontem na loja. “No Verão passado, eu comprei esse mesmo modelo aqui por R$ 600”, disse a professora Nadja Cardoso, que levou uma amiga à loja para pesquisar preços. Ontem, o valor do produto já estava em R$ 748.

Outra distorção causada pela forte demanda foi a grande diferença de preços. A cliente Mírian Caldas, 42 anos, assustou-se ao entrar ontem na Insinuante do Iguatemi e encontrar um aparelho de arcondicionado de janela de 7.500 BTU da marca Springer por R$ 899, quando tinha comprado por um preço 44% mais caro no dia anterior. “Isso é um absurdo! Ontem, eu comprei esse mesmo modelo por R$ 1,3 mil”, desabafou.

Últimas unidades no varejo*

Ar-condicionado Split 12.000 BTUs Gree
Insinuante Shop. Iguatemi: R$ 1.119
Lojas Americanas S. Barra: R$ 1.299
Split 9.000 BTUs Electrolux
Insinuante Iguatemi: R$ 1.119
Hiperbompreço Iguatemi: R$ 998

Split 12.000 BTUs Consul
Lojas Americanas Iguatemi: R$ 1.299
Magazine Luiza Barra: R$ 1.350

Split 9.000 BTUs Consul
Magazine Luiza Barra: R$ 1.250

Split 18.000 BTUs LG
Ricardo Eletro Barra: R$ 1.699

Ar-condicionado de janela Springer 7.500 BTUs
Insinuante Iguatemi: R$ 899
Ricardo Eletro Iguatemi: R$ 699

Ar janela Consul 7.500 BTUs
Insinuante Iguatemi: R$ 969
Ricardo Eletro Iguatemi: R$ 899
Hiperbompreço Iguatemi: R$ 898
Magazine Luiza Barra: R$ 850

Ar janela Consul 10.000 BTUs
Magazine Luiza Barra: R$ 1.250

Ar janela Electrolux 7.500 BTUs
Hiperbompreço Iguatemi: R$ 748

* Fonte: Pesquisa feita ontem nas lojas da cidade pelo CORREIO. Disponibilidade e preço dos produtos sujeito a estoque.


Para maiores informações Clique aqui

Os conteúdos das matérias não refletem necessariamente a opinião do Qualindoor.




Voltar
ABRAVA - Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento
Qualindoor - Departamento Nacional da Qualidade do Ar Interno

    Av. Rio Branco, 1492, São Paulo, SP, CEP 01206-001, Fone (11) 3361 7266