Facebook
Busca
Notícias
Incêndio atinge prédio comercial na Zona Oeste de SP

Veja mais...

Primeiros Resultados da Nova Lei do PMOC

Veja mais...

Guia para Inspeção
Área Restrita
E-mail:   Senha:  

Superbactéria mata quatro pessoas, entre elas três bebês, em hospital de Maceió


Data: 01-04-2011

Um surto de uma superbactéria, denominada Acinectobater, levou o Hospital Universitário de Maceió, o maior do setor público de Alagoas, a fechar a maternidade e a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) neonatal. Segundo a direção, três bebês e um idoso morreram nas últimas semanas infectados pela bactéria, que tem altíssima resistência a antibióticos e ataca pessoas com baixa imunidade. Outra cinco pessoas (duas mães adolescentes e três bebês) também estão contaminadas e recebem tratamento médico em áreas isoladas.

Leia mais
Técnicos iniciam investigação sobre superbactéria
Por conta da situação, a direção do hospital solicitou a transferência urgente dos pacientes que estão internados na maternidade e na UTI neonatal, reservando-a apenas para o tratamento de pacientes com a bactéria. O hospital informou que já adotou uma série de medidas de controle para evitar que a bactéria se espalhe entre mais pacientes.

Segundo o hospital, dos três bebês que morreram, dois eram prematuros extremos e um tinha má formação genética. Já o idoso, de 70 anos, apresentava quadro grave de infecção pulmonar, aos ser vítima de um acidente vascular cerebral.

O Hospital Universitário disse que dois dos pacientes infectados (um deles o idoso) vieram contaminados do HGE (Hospital Geral do Estado), em Maceió. A Secretaria de Estado da saúde, responsável pela gestão do HGE, informou em nota que “também acionou a comissão interna de infecção hospitalar do HGE para iniciar levantamentos sobre a situação dos pacientes encaminhados para o Hospital Universitário”.

Nesta sexta-feira (1º), técnicos de vigilância em saúde realizaram uma inspeção no Hospital Universitário, e vão produzir um relatório com as condições da unidade. Não é descartada a hipótese de interdição completa do hospital.
A maternidade realiza em média 170 partos por mês, que deixarão de ser realizados com a interdição. As mães e bebês de alto risco devem ser encaminhados para a maternidade Santa Mônica, que enfrenta superlotação.

Esta não é a primeira vez que a UTI neonatal do Hospital Universitário é interditada em 2011. Em fevereiro, após um bebês ser diagnosticado com a Acinectobater, a unidade do hospital passou mais de um mês fechada para desinfecção. A interdição causou superlotação na maternidade Santa Mônica --única outra especializada em atendimentos a mães e bebês de alto risco--, que possui apenas 15 leitos de UTI.



Para maiores informações Clique aqui

Os conteúdos das matérias não refletem necessariamente a opinião do Qualindoor.




Voltar
ABRAVA - Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento
Qualindoor - Departamento Nacional da Qualidade do Ar Interno

    Av. Rio Branco, 1492, São Paulo, SP, CEP 01206-001, Fone (11) 3361 7266