Facebook
Busca
Notícias
SP tem calor no fim de semana e virada do tempo no feriado

Veja mais...

Sobe para 21 o número de mortes provocadas por onda de calor no Canadá

Veja mais...

Guia para Inspeção
Área Restrita
E-mail:   Senha:  

Nano partículas no ar ambiente e em atmosferas de trabalho


Data: 14-03-2013




A nano tecnologia tem conhecido importantes desenvolvimentos nos últimos anos e constitui uma esperança de novas formas de abordagem ao tratamento de diversas doenças, incluindo os tumores.

É por isso relevante que se comece a avaliar o impacto que essas pequenas partículas possam ter no aparelho respiratório quando inaladas, conhecido que é o facto de muita da patologia respiratória ser relacionável com a concentração de partículas inaladas e com o local de deposição das mesmas.






Daí a importância da Conferência proferida pelo Professor Engenheiro João P. Gomes, no Auditório da Fundação Portuguesa do Pulmão em Lisboa, sobre o tema.

Nano partículas e partículas ultrafinas têm dimensões entre 1 e 100 nanómetros e, por isso podem penetrar até às regiões alveolares.

As partículas ultrafinas são geradas espontaneamente por fontes de combustão, nomeadamente pelos motores dos veículos, particularmente os a diesel e são fundamentalmente partículas carbonosas. Têm reconhecidos efeitos nocivos à saúde.

As nano partículas são manufacturadas e por isso têm formas mais regulares e os seus efeitos sobre a saúde não estão ainda estabelecidos. Podem penetrar até às regiões alveolares e pelo facto de terem elevada área superficial aderem facilmente às paredes das células alveolares podendo ser transferidas para o sangue e distribuídas por todo o corpo humano. Enquanto que a toxicidade das partículas superiores a 2,5 micra depende fundamentalmente da sua composição química, nas nano partículas a agressividade depende da suas características físicas.

Partículas com estas dimensões quando presentes na atmosfera constituem núcleos de condensação de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, que são agressivos para o homem e muitos deles cancerígenos.

A equipe do Professor João Gomes estudou as concentrações de partículas ultrafinas numa artéria de Lisboa e concluiu que durante os dias de semana as concentrações medidas podiam ser até 20 vezes superiores às encontradas no interior dos edifícios e comparáveis com os níveis das atmosferas de trabalho.

Durante os dias de semana as partículas são, fundamentalmente, partículas carbonosas emitidas pelos motores a diesel, com dimensões inferiores a 20 nanómetros. Durante os fins de semana as partículas, maioritariamente devidas a motores a gasolina, têm dimensões maiores, da ordem dos 120 nanómetros.

Também durante os processos de soldadura foi constatada a produção de elevada quantidade de partículas ultrafinas, maiores ou menores em função do processo de soldadura utilizado.

Curiosamente mesmo em atividades domésticas como o cozinhar se verificou a emissão de quantidades significativas de partículas ultrafinas, tanto maior quanto mais calor for necessário à confecção dos alimentos.

Os potenciais riscos para a saúde da exposição a partículas destas dimensões no ar ambiente depende não só das concentrações presentes como do tempo de exposição.

Para estudos epidemiológicos de efeitos sobre a saúde do grau de exposição não é suficiente a determinação do número de partículas, sendo essencial calcular a área superficial depositada, quer a nível brônquico, quer alveolar.

Estudos com esta metodologia poderão fornecer informação básica para o estabelecimento de regulamentação e definição de boas práticas tendentes a limitar a exposição.

Os resultados mostrados durante a conferência apontam no sentido de ser necessário, no futuro, proceder à análise detalhada das consequências sobre a saúde, nos indivíduos expostos a partículas destas dimensões, e determinar limites de exposição seguros.

Texto: Teles de Araújo


Para maiores informações Clique aqui

Os conteúdos das matérias não refletem necessariamente a opinião do Qualindoor.




Voltar
ABRAVA - Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento
Qualindoor - Departamento Nacional da Qualidade do Ar Interno

    Av. Rio Branco, 1492, São Paulo, SP, CEP 01206-001, Fone (11) 3361 7266