Facebook
Busca
Notícias
Incêndio atinge prédio comercial na Zona Oeste de SP

Veja mais...

Primeiros Resultados da Nova Lei do PMOC

Veja mais...

Guia para Inspeção
Área Restrita
E-mail:   Senha:  

Saiba como combater as bactérias dentro de casa e evitar riscos à saúde


Data: 17-01-2014



Do G1, em São Paulo

Bem Estar desta terça (5) deu dicas para manter a casa limpa e segura.
Cozinha e banheiro são alguns dos locais mais contaminados; veja dicas.

Existem bilhões de bactérias espalhadas por todos os cantos da casa e, se o controle e a limpeza não forem feitos da maneira correta, elas podem trazer risco para a saúde da família. No Bem Estar desta terça-feira (5), o infectologista Caio Rosenthal e a microbiologista Maria Tereza Destro explicaram que descobrir onde as bactérias estão é importante para combatê-las e evitar contaminações.

Segundo os especialistas, as bactérias não voam, não pulam nem andam – elas se espalham pela casa através dos animais domésticos, dos insetos e das mãos das pessoas.

As mãos, aliás, são o principal veículo de transmissão e, por isso, é importante mantê-las limpas durante as atividades dentro de casa, como cozinhar, por exemplo.

No entanto, não adianta lavar as mãos se os botões do fogão estiverem sujos porque, ao primeiro toque, as mãos já estarão contaminadas novamente. Para deixar o fogão limpo, tirar a gordura e matar as bactérias, é preciso primeiro usar um desengordurante ou detergente e depois um produto bactericida.

Ainda na cozinha, há o risco de proliferação de bactérias vindas dos alimentos na pia, o que pode causar intoxicações alimentares e sintomas como diarreia.

Para evitá-las, a dica é lavar bem as mãos e unhas antes de manipular a comida, evitar tossir ou espirrar sobre os alimentos, não deixar a louça suja acumulada por muito tempo e lavar as frutas da fruteira logo antes de comer. De acordo com o infectologista Caio Rosenthal, o hipoclorito de sódio é uma grande arma na higiene da pia e dos alimentos.

É preciso, ainda, lavar frequentemente os panos de limpeza, que, por serem úmidos e conterem restos de alimentos, podem criar colônias de bactérias. Para mantê-los limpos, a dica é deixá-los de molho em uma solução com cloro ou água sanitária.

Já no banheiro, as bactérias podem aparecer por causa do botão da descarga, como explicou o infectologista Caio Rosenthal. Segundo o médico, esse local pode estar habitado por bactérias que moram no intestino das pessoas e, para evitá-las, a principal dica é dar descarga com a tampa fechada. Afastar toalhas de banho e rosto da privada e guardar as escovas de dente e o fio dental em locais protegidos também são medidas eficientes.

Ainda no banheiro, pode haver proliferação de bactérias da boca, mas, ao contrário das bactérias do intestino, elas não oferecem tanto perigo à saúde. Segundo os especialistas, ao beijar uma pessoa, por exemplo, ninguém se prejudica, o que comprova o baixo risco. Embora menos perigosas, essas bactérias podem afetar pessoas que têm a imunidade reduzida e, por isso, também é importante controlá-las e manter a higiene do banheiro, especialmente na pia.

Para mostrar como os hábitos de limpeza são importantes, a repórter Natália Ariede foi até a residência das donas de casa Vera e Francisca, que têm costumes muito diferentes (veja o vídeo ao lado).

Depois de coletar amostras das pias da cozinha e do banheiro, dos interruptores das descargas e dos botões do fogão, o resultado foi: a cozinha é a área mais contaminada nas duas casas. No entanto, na pia da cozinha da Francisca foi encontrada uma bactéria diferente, chamada de pseudômona, que a princípio não oferece grandes riscos, mas pode prejudicar pessoas com imunidade baixa em ambiente hospitalar.

Os especialistas falaram também sobre os produtos que matam as bactérias, como água sanitária e água fervente. Produtos multiuso de limpeza, sabão em pó, saponáceo, detergente e desengordurante, por exemplo, só são eficientes contra as bactérias se houver no rótulo a presença de substâncias como quaternário de amônio, cloro, formol ou álcool com concentração igual ou superior a 70%.

Além disso, a microbiologista Maria Teresa Destro alertou que é importante respeitar a quantidade indicada no rótulo – se colocar pouco, pode anular a ação bactericida; se puser demais, pode dar reação alérgica respiratória ou na pele.


Para maiores informações Clique aqui

Os conteúdos das matérias não refletem necessariamente a opinião do Qualindoor.




Voltar
ABRAVA - Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento
Qualindoor - Departamento Nacional da Qualidade do Ar Interno

    Av. Rio Branco, 1492, São Paulo, SP, CEP 01206-001, Fone (11) 3361 7266