Facebook
Busca
Notícias
Incêndio atinge prédio comercial na Zona Oeste de SP

Veja mais...

Primeiros Resultados da Nova Lei do PMOC

Veja mais...

Guia para Inspeção
Área Restrita
E-mail:   Senha:  

Mulher perdeu as duas pernas e uma mão ao inalar bactérias mortais em uma viagem na Toscana, Itália


Data: 14-08-2014

Alethea Parker, de 51 anos, quase morreu, perdeu as duas pernas e uma mão depois de inalar bactérias mortais, enquanto estava em Toscana, na Itália, passando as férias com sua família e amigos.

Aparentemente, ela entrou em contato com bactérias Legionella enquanto tomava banho no hotel. Suas férias felizes na Itália se transformaram em um pesadelo e ela teve de ser internada durante meses.

Denominada doença do legionário, ainda possui um status quase mítico por conta dos poucos casos. Porém, a bactéria Legionella pneumophila continua contaminando o fornecimento de água e pode ser um perigo fatal.

Na semana passada, o responsável pelo sistema público de saúde inglês emitiu um alerta urgente depois de um recém-nascido ser internado com a doença, que foi adquirida com as águas de uma banheira da casa de parto.

Até 15% das pessoas que contraem esse tipo de infecção pulmonar, causada pela inalação de gotículas de água contaminada com as bactérias, morre. E aqueles que sobrevivem podem ficar com sequelas graves para o resto da vida como Alethea.


Eu fiquei com dor de cabeça e estava constantemente com sede. Senti-me apática, mas associei isso ao estresse do trabalho que tinha vindo antes das férias. Então, no final da viagem foi quando eu realmente comecei a ficar doente e até pensamos que fosse intoxicação alimentar, relembra Alethea.

Chegando em casa, no Reino Unido, seu estado piorou consideravelmente. Ela teve de ser induzida ao coma enquanto eles faziam mais exames, e foi quando informou ao marido e aos amigos que ela havia contraído a doença do legionário.

O médico disse que o único tratamento possível era uma ECMO (oxigenação por membrana extracorpórea), que funciona como um pulmão artificial, retirando o dióxido de carbono do corpo e depois inserindo o oxigênio limpo de volta. Entretanto, as coisas não melhoraram.

Mesmo usando vários medicamentos, nada parecia funcionar. Nesse momento, ela teve de retirar as duas pernas e a mão, pois gangrenaram no processo. A noradrenalina, injetada em seu coração para reduzir o tamanho dos vasos sanguíneos, era o que ajudava a mantê-la viva.

Na segunda semana, Alethea foi retirada do ECMO, transferida de volta para a UTI e lentamente foi retirada do coma. Eu estava realmente chateada porque eu não sabia como iria trabalhar de novo sem uma das mãos. Eu teria de seguir em frente e fazer o melhor possível.

Atualmente, ela é capaz de dirigir, graças a um cabo especial colocado no volante do seu carro e recuperou a sua licença. Ela ainda visita uma unidade de reabilitação para manutenção de suas pernas protéticas e da mão, mas agora está clinicamente bem, sem problemas duradouros com seus órgãos. Você se acostuma, diz ela. Me dá nos nervos precisar de alguém comigo o tempo todo. Eu quero voltar à vida da maneira mais normal possível.


Para maiores informações Clique aqui

Os conteúdos das matérias não refletem necessariamente a opinião do Qualindoor.




Voltar
ABRAVA - Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento
Qualindoor - Departamento Nacional da Qualidade do Ar Interno

    Av. Rio Branco, 1492, São Paulo, SP, CEP 01206-001, Fone (11) 3361 7266