Facebook
Busca
Notícias
Incêndio atinge prédio comercial na Zona Oeste de SP

Veja mais...

Primeiros Resultados da Nova Lei do PMOC

Veja mais...

Guia para Inspeção
Área Restrita
E-mail:   Senha:  

Pessoas passam mal após cheiro forte e deixam prédio da PF em SP


Data: 29-01-2016



Funcionários e visitantes passam mal após cheiro forte e deixam prédio da PF (Foto: Glauco Araújo/G1)

Tatiana Santiago e Glauco Araújo

Do G1 São Paulo

Grupo teve tosse e irritação nos olhos no início da tarde desta quarta-feira.
Polícia Federal analisa se substância foi jogada em duto de ar-condicionado.


Funcionários e visitantes que estavam dentro da sede da Superintendência da Polícia Federal, na Lapa, Zona Oeste de São Paulo (SP), precisaram sair do prédio por volta das 14h45 desta quarta-feira (27) após sentirem um "cheiro forte". Algumas pessoas tiveram tosse e irritação nos olhos. Pais com crianças de colo também estavam dentro do prédio e saíram às pressas. Entre as possiblidades, segundo apurou o G1, estão gás de pimenta, gás lacrimogêneo ou fumaça lançada por um problema no gerador.

O prédio também está sem luz e os sistemas inoperantes. Ele foi parcialmente esvaziado, e quem estava no térreo, no 1º e no 2º andares também teve que sair. Todas as portas foram abertas para ventilação.

Até as 15h15, a assessoria de imprensa da PF não confirmava o que causou o problema, mas informou que os seguranças analisam as câmeras de segurança do prédio. Segundo a Polícia Federal, a manutenção do prédio foi acionada para avaliar a possibilidade de que tenha sido jogado o gás nos dutos de ar-condicionado. Também é avaliado se fumaça foi lançada no prédio por um problema no gerador de energia.

A saída das pessoas do prédio por causa do "cheiro forte" ocorreu no mesmo momento em que três presos durante a 22ª fase da Operação Lava Jato deixavam a superintendência da Polícia Federal. Eles irão para Curitiba, no Paraná, onde estão concentradas as investigações.


Cheiro forte e tosse
"A gente estava esperando para subir para o segundo andar. Ai começou um cheiro forte e o segurança veio e pediu para a gente esperar porque soltou gás lacrimogêneo, mas ninguém mais informação", afirmou Márcia Santos da Cunha. "Começou a subir um cheiro forte pelos pés. A gente estava na recepção e de repente as pessoas que estavam na fila começaram a correr, a tossir e passar mal", disse uma das funcionárias do atendimento, que não quer se identificar.

"Foi aqui embaixo que soltaram e o cheiro foi lá pra cima. Não ouvi nenhum barulho", afirmou o taxista Marcos Vinicius, de 37 anos, que estava no local para emissão de certidão de antecedentes criminais. "A gente estava aqui na fila pra entrar e o cheiro veio lá de dentro. Vim retirar o passaporte e estava esperando a triagem, mas de repente começou esse cheiro e todo mundo saiu tossindo", afirmou o vendedor Bruno Barreto, que estava com a esposa e o filho de 7 anos.


Presos deixam a PF
A saída das pessoas do prédio por causa do "cheiro forte" ocorreu no mesmo momento em que três presos durante a 22ª fase da Operação Lava Jato deixavam a superintendência da Polícia Federal. Eles irão para Curitiba, no Paraná, onde estão concentradas as investigações.

Eles seguiram em duas caminhonetes: uma delas levou a publicitária Nelci Warken, que prestou serviços de marketing à Bancoop (Cooperativa Habitacional dos Bancários), e Ricardo Onório Neto, vinculado à empresa Mossack Fonseca, que abre offshores, com sede no Panamá. No outro veículo, estava Renata Pereira Brito, também da Mossack. Além dos detidos, os veículos levaram documentos apreendidos para a investigação.


Nelci é um dos principais alvos dessa fase da operação e teve a prisão temporária decretada. A ação mira negócios da Bancoop relacionados a apartamentos que não foram entregues e estão de propriedade da empreiteira OAS, uma das investigadas na Lava Jato.

A publicitária chegou à sede da PF por volta das 8h30, segurava um casaco para tampar o rosto e empurrava uma mala de viagem. A advogada Aparecida Célia de Souza, que defende Nelci, diz que ela não tem a ver com a construtora OAS e que a compra do apartamento que teria sido reformado para o ex-presidente Lula, segundo O Globo, foi regular.

Nelci comprou o apartamento há oito anos, mas só em 2015 conseguiu passar a escritura definitiva. Segundo a advogada, Nelci tem uma empresa que faz panfletos sobre os lançamentos imobiliários na Baixada Santista e parte do apartamento foi comprado em troca do trabalho de divulgação.


Ricardo foi levado à sede da PF por volta das 9h30. Renata Brito chegou às 13h. A polícia apura se a empresa abriu offshores para esconder a propriedade de apartamentos que eram da Bancoop e depois foram assumidos pela OAS.

Também estão na sede da Polícia Federal duas pessoas que foram conduzidas coercitivamente. Elas estão sendo ouvidas por policiais e devem ser liberadas depois. Policiais federais também fazem buscas por documentos na sede da Bancoop, na Rua Tabatinguera.


Além dos três detidos em São Paulo, há mais outros três mandados de prisão temporária para pessoas que estão no exterior. Os foragidos são Maria Mercedes Riano, Adhemir Awada e Luiz Fernando Hernandes. A prisão temporária tem prazo de cinco dias e pode ser prorrogada pelo mesmo período ou convertida em preventiva, que é quando o investigado fica preso à disposição da Justiça sem prazo pré-determinado. Os presos serão levados para a Superintendência da PF, em Curitiba.

No total, serão cumpridos 23 mandados judiciais, sendo seis de prisão temporária, 15 mandados de busca e apreensão e dois de condução coercitiva. Em São Paulo, a ação ocorre na capital, Santo André e São Bernardo do Campo e, em Santa Catarina, em Joaçaba.

Esta fase da operação foi batizada de Triplo X e tem como alvo investigados suspeitos de abrir empresas offshores e contas no exterior para ocultar e disfarçar o crime de corrupção com o pagamento de propina.

Há uma suspeita de que unidades imobiliárias da Bancoop/OAS teriam sido utilizadas para repasse de propina no esquema de corrupção da Petrobras. Um desses apartamentos está no nome da empresa Murray, uma offshore aberta pela Mossak. A polícia apura indícios de fraudes na maneira como a Murray adquiriu o patrimônio. Uma linha de investigação aponta que o esquema ocultava os reais donos das offshores.

As unidades investigadas ficam em um condomínio no Guarujá onde a OAS tem um apartamento que, segundo investigações, seria destinado à família do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Um dos apartamentos investigados, segundo a PF, está ligado a familiares do ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT) João Vaccari Neto. Vaccari, que já presidiu a Bancoop, foi foi preso pela Lava Jato em 2015 e está detido no Complexo Médico-Penal em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), a empreiteira OAS participava do chamado "clube" de empresas que, por meio de um cartel, fraudava as licitações da Petrobras. Para conquistar os contratos, as empresas pagavam propina a diretores da Petrobras e a partidos políticos, com a intermediação de operadores.

Entre os crimes investigados na atual fase estão corrupção, fraude, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Oitenta policiais participam da ação.




Para maiores informações Clique aqui

Os conteúdos das matérias não refletem necessariamente a opinião do Qualindoor.




Voltar
ABRAVA - Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento
Qualindoor - Departamento Nacional da Qualidade do Ar Interno

    Av. Rio Branco, 1492, São Paulo, SP, CEP 01206-001, Fone (11) 3361 7266