Facebook
Busca
Notícias
Incêndio atinge prédio comercial na Zona Oeste de SP

Veja mais...

Primeiros Resultados da Nova Lei do PMOC

Veja mais...

Guia para Inspeção
Área Restrita
E-mail:   Senha:  

Ar Condicionado: seu melhor aliado.


Data: 01-01-2017

Danilo Lemos, 10 de dezembro de 2016

Embora a primavera tenha iniciado com temperaturas amenas e bastante agradáveis, em breve estaremos no verão e, com ele, os aparelhos de ar condicionado tornam-se item indispensável para tornar os ambientes possíveis de serem ocupados. Porém, para que esse conforto térmico não provoque doenças aos ocupantes dos ambientes, é imprescindível a manutenção preventiva dos equipamentos condicionadores de ar. O conforto é imprescindível, mas a saúde é fundamental.

Para tanto, é necessário estabelecer uma rotina de manutenção, contemplando todos os itens, desde os filtros até os dutos de distribuição do ar (quando existentes). A periodicidade de cada item deve ser adotada em função do grau de sujidade e uso dos equipamentos. Um bom sinal da existência de falhas na manutenção pode ser o desconforto sentido pela maioria dos ocupantes dos ambientes. Inclusive, temos a chamada Síndrome do Edifício Doente (SED) quando cerca de 20% ou mais dos ocupantes de um edifício apresentam sintomas de desconforto, fadiga, problemas respiratórios, entre outros, que tendem a desaparecer após sua saída do ambiente. A Organização Mundial de Saúde definiu a SED como “um conjunto de doenças causadas ou estimuladas pela poluição do ar em espaços fechados”. Outros fatores importantes associados diretamente à síndrome são redução na produtividade e a elevada taxa de absenteísmo (ausência ao trabalho), diante da exposição a um ambiente inadequado à ocupação. Desta forma, a qualidade do ar de ambientes interiores assume importante papel não só em questões relativas à Saúde Pública, como também, no que diz respeito à Saúde Ocupacional.

Mas engana-se quem pensa que apenas em grandes edifícios ou centros comerciais uma manutenção falha possa gerar riscos ao ar respirado. Em muitas residências a manutenção preventiva não é devidamente aplicada, podendo acentuar crises alérgicas ou mesmo infecções causadas por microrganismos os quais, após crescimento nesses ambientes, torna sua eliminação mais difícil e demorada. Em alguns casos, podem ocorrer ainda outros inconvenientes, como o vazamento pelo aparelho (popularmente conhecido como “pinga-pinga”), danificando móveis, pinturas, entre outros.

Dicas para limpeza do ar condicionado doméstico:
• Antes de iniciar, desligue o aparelho para evitar acidentes;
• Remova os filtros e lave-os em água corrente, utilizando detergente neutro e esponja não abrasiva. Não utilize escovas ou crie atrito com a malha filtrante, sob o risco de danificá-la e comprometer a eficácia da filtragem;
• Anualmente chame um técnico especialista em aparelhos condicionadores de ar para verificar o funcionamento.
Dependendo do uso do aparelho pode ser necessário realizar essa limpeza em intervalos menores. O importante é observar o nível de sujidade retido nos filtros e higienizá-los sempre que necessário.

Em contrapartida, mantendo-se adequada rotina de manutenção, a qualidade do ar desses ambientes pode ser ainda melhor que a qualidade do ar respirado fora dos edifícios, pois a filtragem adequada elimina contaminantes que por ventura estejam presentes no ar externo. No Brasil, em 2003, a ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária publicou a Resolução nº 09, contendo orientações e padrões referenciais para caracterizar um ar de boa qualidade. Há também outras legislações que auxiliam na manutenção preventiva dos aparelhos e acessórios, como rede de dutos, filtros e etc. Importante, em caso de dúvidas, sempre consultar um especialista, evitando avarias aos equipamentos.

E não se esqueça do ar condicionado do carro... mas esse tema falaremos no próximo mês.

MINICURRICULO
Christiane Lacerda
Engenheira Química formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro com mais de 20 anos de experiência em tratamento químico de Água e Efluente; Especialista em Qualidade do Ar e Poluição em Ambientes Interiores formada pelo PECE/USP; Mestranda em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Membro do Qualindoor – Departamento Nacional de Qualidade do Ar de Interiores da ABRAVA; Diretora Técnica na GHS – Grupo Hidroservice

GHS Brasil Ind. E Serviços Ltda
+55 (21) 2471-5960

Assessoria de Imprensa
Danilo Lemos – asd@ghsbrasil.com
Contato: +55 (21) 3527-3854 / (21) 969643178




Para maiores informações Clique aqui ou envie um e-mail para asd@ghsbrasil.com .

Os conteúdos das matérias não refletem necessariamente a opinião do Qualindoor.




Voltar
ABRAVA - Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento
Qualindoor - Departamento Nacional da Qualidade do Ar Interno

    Av. Rio Branco, 1492, São Paulo, SP, CEP 01206-001, Fone (11) 3361 7266